Após um período de desaquecimento no setor de óleo e gás, devido à queda brusca dos preços do petróleo e, particularmente, aos efeitos da operação Lava-Jato, o mercado indica a retomada de contratações, liderada pela Petrobras. Além do pacote de contratações referentes aos sistemas definitivos da área de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, a companhia está licitando uma série de contratos de manutenção de plataformas na Bacia de Campos. As concorrências para a prestação de serviço abrem espaço para um conjunto de empresas de médio porte, que está aproveitando oportunidades deixadas por grandes companhias que ainda integram a lista de bloqueio cautelar da estatal, devido ao indícios de irregularidades apuradas no âmbito da Lava-Jato.

Um total de 17 empresas nacionais e estrangeiras participam da licitação para a contratação de serviços de manutenção em 25 plataformas de produção de óleo e gás na Bacia de Campos, estimado em cerca de R$ 1,3 bilhão, após a desclassificação de duas concorrentes. O Valor apurou que a brasileira G&E foi desqualificada por não atender as exigências financeiras do edital, enquanto a italiana Saldimpianti não preencheu os requisitos de segurança.

Estão na disputa as empresas Alphatec, Belov, Elos, Enaval, Enesa, Estrutural, GranEnergia, Imetame, Manserv, MIP, Mota Engil, Niplan, RIP, CSE (empresa do grupo norueguês Aker Solutions), a espanhola Cobra, O Engenharia (antiga Orteng, que pertence agora ao grupo francês Vinci) e a chinesa Kerui.

A chinesa também ofereceu o menor preço para a construção da unidade de processamento de gás natural (UPGN) da refinaria do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em outra licitação, conforme o Valor apurou.

A licitação para os serviços de manutenção das plataformas é dividida em três lotes. As propostas financeiras foram entregues na última semana. O processo está previsto para ser concluído em abril de 2018 e o serviço deve ser iniciado em junho do mesmo ano.

Esta é a segunda de três licitações do tipo. Em agosto, a Petrobras concluiu a licitação para a contratação de serviços para um conjunto de 13 unidades petrolíferas. Dividida em quatro lotes, a concorrência foi vencida pela O Engenharia, CSE e Estrutural. Segundo o resultado do processo, os serviços totalizam R$ 1,27 bilhão.

Com relação à terceira licitação, a estatal marcou para segunda-feira a data de entrega de envelopes com as propostas financeiras. O pacote envolve 14 plataformas, das quais 13 são as mesmas da primeira concorrência.

A Petrobras também prevê fechar este ano a contratação da primeira plataforma de produção de grande porte (FPSO, na sigla em inglês) para o campo de Mero (no Noroeste de Libra). Segundo o gerente executivo de Libra da Petrobras, Fernando Borges, os integrantes do consórcio de Libra deverão tomar suas decisões sobre o assunto nas primeiras semanas deste mês. A unidade terá capacidade de 180 mil barris diários.

Também deve ser aberta no primeiro semestre de 2018, a concorrência para a contratação da segunda plataforma de Mero. A Petrobras é a operadora da área de Libra com 40% de participação, junto com Shell (20%), Total (20%), CNPC (10%) e CNOOC (10%).

Fonte: Valor