De acordo com números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a economia brasileira gerou 173.139 empregos com carteira assinada em fevereiro deste ano. O saldo positivo é a diferença entre as contratações (1.453.284) e as de demissões (1.280.145) no período. Considerado o melhor resultado para meses de fevereiro desde 2014, quando foram criados 260.823 empregos formais, esses dados estimulam empresários a investirem cada vez mais, além de motivar pessoas a pensarem em novas oportunidades de negócio, o que é um importante passo para a economia do país.

Os números oficiais mostram também que nos dois primeiros meses deste ano, foram criados 211.474 empregos com carteira assinada. Já nos últimos 12 meses, segundo o Ministério do Trabalho, foi registrada a criação de 575.226 postos de trabalho formais. Com o resultado de fevereiro, o estoque de empregos estava, no final daquele mês, em 38.622 milhões de vagas, contra 38.047 milhões no mesmo mês de 2018. Esse crescimento é um importante indicativo para empresários e trabalhadores, pois a tendência é que os números aumentem ainda mais. Porém, é importante que as empresas continuem fomentando sua produtividade, podendo assim proporcionar melhores condições de trabalho aos seus colaboradores.

Os números do governo revelam que, em fevereiro, houve abertura de vagas em sete dos oito setores da economia. O maior número de empregos criados aconteceu no setor de serviços, com um aumento de 112.412 mil vagas. A indústria é um dos segmentos que mais movimentam a economia brasileira e por isso também teve representatividade entre os dados divulgados. De acordo com o levantamento, o setor de Serviços Industriais de Utilidade Pública teve um crescimento de 865 vagas. Já a agropecuária foi o único setor que mais demitiu do que contratou, resultando em um saldo de -3.077.

Para o fabricante de contatos elétricos, esse cenário é um importante indicativo de que o setor tende a crescer ainda mais, desde que se mantenham os investimentos e manutenções necessárias para o bom funcionamento das atividades. “Com o maquinário em perfeito funcionamento, a produtividade e a segurança dos colaboradores estará garantida, o que consequentemente ajuda a empresa a se manter competitiva no mercado”, afirma a empresa com 20 anos de experiência no segmento de componentes eletromecânicos. Além da possibilidade de criar novos postos de trabalho, a aceleração da economia ajuda o país a se reerguer e conquistar novas parcerias internacionais, importantes para seu desenvolvimento.

Ainda de acordo com os dados do governo, houve criação de vagas formais, ou seja, com carteira assinada, em quatro das cinco regiões do país em fevereiro deste ano, sendo o Sudeste com a melhor representação, especificamente +101.649 e o Norte com a menor, o correspondente a + 3.594. Das 27 unidades federativas, 20 tiveram saldo positivo, sendo os maiores em São Paulo (+62.339), seguido de Minas Gerais (+26.016) e Santa Catarina (+25.304 vagas). Já os maiores volumes de demissões foram registrados em Pernambuco (-12.396), Alagoas (-2.255) e Rio Grande do Norte (-2.249).

Fonte: Exame