A arrecadação de impostos , contribuições e demais receitas federais superou a marca da R$ 1 trilhão neste ano. Entre janeiro e agosto de 2019, a receita do governo federal aumentou 2,3%, na comparação com o mesmo período do ano passado, atingindo o melhor resultado para os oito primeiros meses do ano desde de 2014.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira pela Receita Federal . Foi a primeira vez, desde 2014, que a arrecadação federal atingiu a marca de R$ 1 trilhão no mês de agosto. Nos últimos quatro anos, esse patamar foi atingido somente no mês de setembro.

Carga tributária: No Brasil, empresas gastam 1.958 horas por ano para pagar impostos

Parte do crescimento da arrecadação, no acumulado deste ano, está relacionada com o resultado ainda de 2018, pois as empresas recolheram esses valores no primeiro trimestre de 2019, segundo a Receita. No ano, o governo também arrecadou mais com royalties de petróleo, compensação paga pelas empresas que exploram o produto. Até agosto, essa receita cresceu 8,9%.

Em agosto, a arrecadação somou R$ 119,9 bilhões, alta real (descontada a inflação) de 5,67%, na comparação com o mesmo mês do ano passado.

O ritmo de crescimento da arrecadação no mês passado foi o maior deste ano. Agosto também foi o quinto mês seguido com crescimento acima da inflação dos valores arrecadados.

Gastos : Guedes reforça equipe da reforma tributária com desafio de desonerar folha sem ‘nova CPMF’

A melhora na arrecadação de impostos foi o principal motivo para o governo liberar R$ 8,3 bilhões em gastos para os ministérios, na semana passada. O valor é próximo à arrecadação atípica registradas nos dos últimos meses.

No mês passado, por exemplo, houve uma arrecadação extra de R$ 5,2 bilhões com Imposto de Renda da Pessoa Jurídica em decorrência de reorganizações societárias com ganho de capital, como fusões, venda de empresas e ganhos líquidos em operações em Bolsa.